Aparecida, bairro de Manaus

Thumb

bairro de Aparecida, na zona centro-sul, adotou em sua origem nomes como Cornetas, Cajazeiras ou bairro dos Tocos. O primeiro por conta do contigente do Exército antes localizado no igarapé que cortava o bairro. O segundo em função da grande quantidade de árvores desta espécie na localidade e o terceiro em virtude da derrubada das árvores para a abertura das ruas, deixando à mostra os troncos serrados. Com a chegada dos primeiros missionários em 1943, o bairro começou sua evolução.

A missão dos religiosos era de instalar uma nova paróquia e iniciar o processo de evangelização. Com o trabalho desenvolvido pelos missionários, o bairro adotou de vez o nome de Aparecida.

Em 1944 foi oficialmente fundada a paróquia do bairro pelo bispo Dom João da Mata Andrade e Amaral recebendo o nome de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Foi pela fé que tudo começou, registra, Roberto Bessa, autor do livro "Memorial: Síntese da História de um Bairro", editora Uirapuru (2001). 

A primeira capela segundo relatos do autor funcionou em duas salas, num chalé doado pela família Miranda Corrêa em 1944, funcionando até 1946, quando foi projetada a nova igreja à rua Alexandre Amorim, em frente ao colégio onde atualmente funciona o Clube de Mães.

Com o passar dos anos, o bairro foi crescendo, surgindo à necessidade de um novo templo capaz de abrigar um número maior de fiéis.

Estevam Santos, 72, um dos mais antigos moradores do bairro, afirma que Aparecida é 100% católica, por conta do trabalho de evangelização dos missionários americanos.

Na época da colonização o padre Frederico Stratman esteve à frente da construção da igreja, do colégio e da casa paroquial. Santos lembra que o bairro de Aparecida através da paróquia desenvolvia várias atividades sociais e culturais como oficinas de marcenaria e carpintaria, arraiais, além de atividades esportivas como basquete, boxe entre outras. "Conforme a história de desenvolvimento do bairro, a chegada dos missionários ajudou muito a educar a comunidade", relata.

Ruas e becos guardam memória de importantes personalidades

Aparecida com o tempo foi se modernizando, mas sem perder a identidade. Até hoje possui o mesmo padrão simétrico de ruas, tendo como a principal, a Alexandre Amorim, ilustrada pela igreja, o colégio estadual de Aparecida, a faculdade de Farmácia da Ufam (Universidade Federal do Amazonas) e o Fórum.

AS reminiscências que marcam o bairro são AS ruelas e becos, muitos deles ainda com a mesma arquitetura das casas coladas uma nas outras. Outra grande referência é a rua Comendador Ventura, ou melhor Bandeira Branca que até os dias de hoje serve de palco para a realização dos principais eventos do bairro. 

O nome Bandeira Branca está associado a um antigo morador e comerciante português, que tinha o hábito de colocar à porta de seu estabelecimento uma bandeira branca. O primeiro nome que a rua recebeu foi 1º de maio, mas não caiu NO gosto popular, ficando mesmo o nome de Bandeira Branca. Outras ruas que compõem o bairro têm significados históricos como Carolina das Neves, das Flores (por sinal não há flores e nunca houve), Coronel Salgado, Gustavo Sampaio, Xavier Mendonça, Wilkens de Matos e Dr. Aprígio.

De acordo com Roberto Bessa cada rua ou beco tem o nome de um personagem importante e que morou NO bairro e desenvolveu alguma atividade em prol da comunidade.

Arraiais e catraias, vivos na tradição do bairro

Na área cultural fizeram parte da comunidade por muitos anos - AS festas das Pastorinhas e juninas, dando origem ao boi-bumbá "Coringa". De acordo com o relato de Bessa, o mês de setembro era esperado com ansiedade pelos moradores durante a realização do arraial que tinha como objetivo angariar recursos para AS atividades sociais da igreja.

O ponto máximo dos arraiais era o tradicional serviço de alto-falante, comandado pelo Zeca Afonso em parceria com Humberto Bacurau embalados pelas melodias e recadinhos para os namorados que não podiam faltar durante a realização dos festejos.

Estevam Santos lembra que muitos dos moradores do bairro até hoje estão casados a partir dessas brincadeiras. Outro detalhe que faz parte da história eram AS disputas acirradas entre os rapazes do bairro com os dos bairros vizinhos como o São Raimundo e Matinha (mais tarde Presidente Vargas).

Conta Santos, que ao flertarem com AS moças dos bairros vizinhos muitas vezes tinham que fugir a nado ou sobre AS jangadas, já que os donos das catraias (embarcações de transporte entre os dois bairros) se negavam a transportá-los. Os arraiais acabaram ainda na década de 70, com a chegada das novas tendências culturais.

Novena é tradição

O que restou da tradição da década de 60, foi a tradicional novena da terça-feira na igreja de Nossa Senhora de Aparecida, freqüentada por devotos dos quatro cantos da cidade. Associada a novena foi instalada a feirinha municipal, antes na rua Bandeira Branca e sendo transferida posteriormente para Coronel Salgado entre Ramos Ferreira e Alexandre Amorim devido ao grande contigente de pessoas.

Aparecida ficou conhecida também pelo serviço das catraias que saiam do porto da antiga serraria Hore, transportando trabalhadores das indústrias instaladas NO bairro para os bairros vizinhos.

Com a construção da ponte ligando ao São Raimundo (conhecido antigamente como Bucheiros). O serviço custava quinhentos réis NO itinerário que levava em média um tempo entre dez e quinze minutos de travessia. AS catraias, assim como os famosos catraieiros perderam desta forma o sentido de existir ficando apenas nas lembranças da história deste bairro.

Independência marcou o futebol

O bairro também teve seus momentos de glória NO esporte. Introduzido pelos padres americanos, surge na década de 50 a agremiação do Independência Futebol Clube.

A equipe formada pela rapaziada do bairro chegou a enfrentar clubes de grande porte entre eles, o Nacional e o Fast Clube. O Independência reunia todos os domingos, segundo relato de Bessa, uma gama de torcedores NO antigo campo da serraria do Hore (LOCAL de concentração da equipe) ao som de batucada.

Durante o decorrer dos anos 60, o clube decide pendurar a chuteira. Seus jogadores se dispersaram e, era o fim de um sonho chamado Independência. Outra tradição mantida até hoje NO bairro era a concentração de pequenos botecos com a venda dos mais variados tipos de cachaça.

Boa parte destes botecos era tinha como proprietários os portugueses, já que a história do bairro está ligada diretamente com a imigração lusitana que por ali chegaram e instalaram diferentes atividades comerciais.

Por exemplo, o bar do Armando português que antes funcionava na entrada da rua Carolina Neves, esquina com Xavier de Mendonça. Aparecida ao longo de sua existência viu nascer e crescer figuras ilustres e que hoje fazem parte da memória expressiva da sociedade manauense.

Moacir Andrade, uma das maiores expressões das artes plásticas do Amazonas, com menções em vários países; Paulo Feitosa, desembargador, Lauro Chibé, artesão, Mário Ipiranga Monteiro, historiador (morto em 2004). Em 1950, Antônio Dias Loureiro Ventura, conhecido popularmente como "Comandante Ventura" funda NO bairro o Corpo de Bombeiros Voluntários de Manaus.

Um idealista nascido em Concêlho de Porto, em Portugal, funda a entidade em um terreno de sua propriedade juntamente com voluntários do bairro.

A entidade funcionava onde está instalada o Fórum de Justiça. NO dia 4 de dezembro de 1961, ao retornar de uma de suas missões, na estrada BR-319, NO quilômetro 28, a viatura que conduzia ele e seus companheiros capotou e caiu em um abismo lhe tirando a vida.

Definição do perímetro

O perímetro do bairro começa NO igarapé de São Vicente com o Rio Negro até o igarapé de São Raimundo, seguindo até o igarapé da Castelhana; deste até a rua Luiz Antony indo até a rua José Clemente retornando ao igarapé de São Vicente até o Rio Negro.



» Conheça Também

Thumb2

Plantas

Tucumã

O Tucumã, fruto de uma palmeira amazônica, de polpa grudenta e fribrosa , segundo Chaves (1947) é riquíssima em vitamina A, tendo a vitamina 90 vezes mais que o abacate e 3 vezes superior a da cenoura, possuindo também alto......

Leia Mais

Thumb2

Índios

Índios

Até hoje ainda não se pode afirmar com exatidão qual o número da população de indígenas que viviam no Brasil antes da chegada dos portugueses, em 1500. Mas, sem dúvida, antes mesmo dos colonizadores chegarem ao Brasil - e à Amazônia - boa parte......

Leia Mais