Macaco-Barrigudo

Thumb

Nome comum: Macaco-barrigudo


Nome científico: Lagotrix lagothricha


Classe: Mammalia


Ordem: Primates


Família:Cebidae


O macaco-barrigudo é um animal em risco de extinção. As principais ameaças são a destruição de seu habitat natural e o tráfico de animais. A cauda do macaco-barrigudo é preênsil, como a da maioria dos primatas americanos, e ele a utiliza constantemente: para se dependurar nas árvores, enquanto colhe as folhas e frutos de que se alimenta. Sua alimentação na natureza inclui insetos, enquanto que, em cativeiro, alimenta-se de frutas diversas, tomate, ovos e chicória.


Esse animal é encontrado em grande parte na região amazônica, mas também habita a Colômbia e o Peru. A pelagem do macaco-barrigudo é curta e espessa, podendo ir do cinza ao preto. As orelhas pequenas e a cabeça redonda, inteiramente coberta dos mesmos pêlos curtos, dão-lhe uma fisionomia inconfundível. O macaco-barrigudo desloca-se com rapidez incrível e pode dar saltos espetaculares de uma árvore para outra.


Vive só ou em bando, às vezes encontrado na companhia de macacos-aranha ou bugios. A fêmea tem apenas um filhote por ano, que nasce após uma gestação de 7 meses. Em cativeiro, este tipo de macado pode viver até 20 anos.


Distribuição Geográfica: Colômbia, até o Rio Tapajós e leste do Rio Negro


Habitat: Florestas Hábito: Diurno


Comportamento: Grupo em torno de 20 indivíduos


Longevidade: 25 anos Maturidade: Fêmea - 4 anos, Macho - 5 anos


Gestação: 7 a 8 meses


Desmame: Aos 5 meses Nº de filhotes: 01 Peso adulto: 5,5 a 10,8 Kg



» Conheça Também

Thumb2

Geral

Centro Histórico de Manaus

A história da cidade de Manaus tem início na área central. A capital do Amazonas  foi fundada no ano de 1669, em data incerta, com a construção do forte de São José do Rio Negro, localizado onde hoje é o Centro da cidade, em uma área chamada......

Leia Mais

Thumb2

Folclore

Auto do Bumba-Meu-Boi do Maranhão

Os brancos trouxeram o enredo da festa; os negros, escravos, acrescentaram o ritmo e os tambores; os índios, antigos habitantes, emprestaram suas danças. E a cada fogueira acesa para São João, os festejos juninos maranhenses foram-se transformando......

Leia Mais